Atentimento Online

Newsletter

Cadastre-se e receba nossas informações

Notícias

Após 20 anos, sintomas são mais evidentes
Cuidar de um parkisoniano não é nada fácil. Familiares e pessoas mais próximas normalmente deixam de lado suas vontades e abdicam de muitas coisas para cuidar da pessoa amada. Assim é a história da aposentada Neide Fuentes Sallas Cuenca que lamenta a situação, mas aprendeu a aceitar e conviver com a doença do marido.

Seu esposo, o supervisor de vendas Pascoal Cuenca Filho coordenava equipes de vendedores, viaja e dava treinamentos aos subordinados da empresa. Assim como o aposentado Adão Borges, também tinha planos de uma aposentadoria mais tranquila, em que pudesse viajar, e sonhava em comprar uma casa na praia. Todos esses projetos, porém, ficaram em segundo plano, após o diagnóstico de Mal de Parkinson.

Aos 45 anos, o supervisor de vendas começou a sentir uma forte dor no braço, que foi diagnosticada como reumatismo. Começou então a fazer sessões de fisioterapia que não melhoraram em nada os sintomas. Foi quando o fisioterapeuta sugeriu que o paciente procurasse um neurologista e, então, o Mal de Parkinson foi diagnosticado.

Os sintomas foram evoluindo de forma lenta, mas nos últimos anos a doença está mais agressiva. De acordo com a esposa, Neide, os movimentos estão muito comprometidos e a fala também foi bastante afetada.

"Ele não consegue mais se vestir sozinho e é muito difícil entender o que fala", conta a esposa, acrescentando que o mais difícil de tudo é lidar com a falta de memória, provocada pela doença. "O mais triste é ver que ele não consegue mais se lembrar de algumas coisas e tem momentos de alucinações", lamenta.

Neide Cuenca era funcionária pública federal e, logo depois que a doença do marido foi descoberta, se aposentou. Hoje está com 59 anos e o esposo com 64. "Tive que parar de fazer muitas coisas. Era voluntária na igreja, trabalhando com idosos e gostava muito de fazer cursos. Hoje em dia não posso deixá-lo sozinho, porque precisa de ajuda em tudo. Mesmo com toda dificuldade, não gosto de reclamar. Tento conviver da melhor forma possível", conta.


Alguns sintomas

Tremores: tremor em repouso é o sintoma inicial do Mal de Parkinson em 70% dos casos.

Bradicinesia: significa movimentos lentificados.

Rigidez: a sensação que se tem é a de que os músculos estão presos.

Instabilidade postural, alterações no discurso, demência, aumento da salivação, incontinência urinária, entre outros.


Fonte: O Diário
« voltar às notícias